BeHaveMarketing

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Questões de Senso Comum – Etapa zero do seu Plano de Marketing Interno!



No nosso dia-a-dia profissional somos confrontados com muitos pedidos de projectos de Marketing Interno para dinamizar e motivar os colaboradores das empresas e aumentar a produtividade! Alguns dos projetos têm um grau considerável de alguma sofisticação e são, de certa maneira ambiciosos como são os pedidos de projectos de Comunicação Interna, acções de Team Building, Eventos Especiais, entre outros.

Até aqui tudo bem! Ficamos até de certa maneira contentes que isso aconteça. Porém, algumas vezes reparámos que, da mesma maneira que essas empresas pretendem investir nessas acções elas falham no essencial que é quando tudo deve começar: 

a empresa preocupa-se com as questões básicas como o bem estar pessoal  dos seus colaboradores?


 José Mourinho e Sir Alex Ferguson: qual o seu segredo?
Todos nós conhecemos estas duas personalidades pelos seus sucessos profissionais! Contudo o seu grande segredo não está apenas nas suas capacidades técnicas sobre o futebol, sobre a implementação das melhores tácitas a apresentar, etc. O segredo é que…
ambos se preocupam diariamente com os seus jogadores!

Não apenas com os aspectos profissionais mas com os pessoais: das suas vidas familiares, da saúde dos filhos, pais, se têm alguns problemas pessoais que os afectem, problemas financeiros, etc. Em caso de problemas tentam, eles próprios ajudar nas soluções! Em caso de alegrias partilham e celebram também esses sentimentos. O resultado é que, quando os jogadores entram em campo dão tudo por alguém que se preocupa verdadeiramente com eles! Alguns deles afirmam que os treinadores em causa são como um pai para eles! Então, porque não aplicar a mesma receita nas empresas?

Questões básicas do dia-a-dia
As questões básicas a que me refiro prendem-se naturalmente com as pequenas questões (boas e más) do dia-a-dia de um cidadão comum – aniversários, nascimento de filhos, problemas de saúde, questões de ordem financeira e até falecimento de familiares, entre outros. 
Um dos aspectos que as empresas já começam a ter em conta tem a ver com a data de aniversário dos colaboradores. É fácil, a qualquer empresa de qualquer dimensão, colocar na sua base de dados as datas dos aniversários de cada funcionário. Por isso também será fácil ao Líder da empresa (isto tratando-se de uma PME) lembrar-se do seu colaborador e partilhar com ele esse momento. Mas, e às empresas de maior dimensão? E em relação a outras questões? Como saber delas? 

O Papel das Chefias Intermédias
No caso das pequenas e médias empresas será o próprio responsável da empresa a chamar a si essa responsabilidade mas no caso das grandes empresas, as chefias intermédias (Supervisores, chefe de escritório, chefe de delegação, responsável da fábrica, etc) têm um papel determinante! A contratação destas pessoas deve ter em conta, entre outros requisitos a sua habilidade em gerir pessoas! Porque no fundo as empresas e a nossa vida diária têm a ver com… pessoas

Essas chefias intermédias têm que ser instruídas a preocuparem-se com os seus colaboradores mais directos e, então reportar ao seu superior hierárquico os aspectos relevantes que possam ser objecto de uma atenção mais especial. 
Quem não gosta de ser lembrado aquando do nascimento de um filho? Do seu aniversário, da Licenciatura da esposa, dos filhos, etc.

Mas também nos momentos difíceis de cada um é importante o colaborador de uma empresa sentir a solidariedade do seu responsável máximo. Uma palavrinha sobre a doença grave de um familiar, sobre o falecimento de um ente querido… 

Tudo isto faz toda a diferença na moral dos colaboradores das empresas.
Há diversos momentos nas vidas das pessoas (boas e más) os quais, pela sua importância devem ser reportados pelas chefias intermédias às chefias de topo. Para que estes tomem as medidas adequadas; para que possam partilhar e solidarizarem-se com os colaboradores em causa! E isto deve ser feito de uma forma sistemática! A implementação desta política deve figurar nos objectivos de cada chefia e no próprio director geral da empresa (no caso de uma PME)!
O resultado destas políticas é fácil de prever: 

uma maior motivação das pessoas que se reflecte num aumento da produtividade!

Quando alguém se preocupa connosco somos impelidos a dar tudo por essa pessoa ou instituição. Tal como fazem os jogadores de José Mourinho ou Alex Ferguson! Por isso a nossa recomendação vai para que, antes mesmo dos tais projectos mais ambiciosos e que trarão, certamente bons resultados para a empresa se comecem pelas questões mais simples e mais básicas como a de se preocupar verdadeiramente com os colaboradores das empresas na sua vertente humana

A esta altura estará o leitor a pensar: 

“…mas estas questões são de “senso comum” e algumas já se aplicam na minha empresa!”

São realmente de senso comum e precisamente por isso são muitas vezes esquecidas por muitas empresas. Algumas vezes são implementadas de uma forma aleatória, sem serem planeadas. Por isso devem fazer parte dos objectivos dos respectivos responsáveis.
Uma vez adoptado este procedimento, todas as outras medidas de Marketing Interno serão mais fáceis de implementar.

Em resumo:
  • Implemente uma política sistemática de preocupação com os problemas e acontecimentos de natureza humana dos seus colaboradores;
  • Preocupe-se não apenas com os aspectos profissionais mas também com os de natureza pessoal dos seus colaboradores;
  • Enumere, no mínimo uns 4 ou 5 acontecimentos que possam surgir no dia-a-dia dos seus colaboradores os quais possam ser objecto de uma intervenção da empresa (aniversários dos colaboradores, casamento de colaboradores, nascimento de filhos, doenças de familiares, falecimento de familiares, entre outros);
  • Instrua as chefias internas sobre esta situação para que reportem os casos existentes a nível superior para se poder actuar em conformidade;
  • E não se esqueça: ao saber que um quadro superior ou o responsável máximo se preocupa com o seu bem-estar pessoal, o colaborador da empresa dará o máximo pela defesa dos seus valores e da sua marca. Este será o melhor ponto de partida para o sucesso da sua empresa.
Pense nos seus colaboradores e torne-os nos verdadeiros embaixadores da sua marca e da sua empresa.

Cumprimentos,